Apresentação

“Compreender o mal não o cura, mas, sem dúvida alguma, ajuda. Afinal, é muito mais fácil lidar com uma dificuldade compreensível que com uma escuridão incompreensível.” – Carl Jung.

Olá.
Seja bem vindo(a).
Espero que goste.
Luz, Paz e Alegria sempre.

Elizabeth.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Medo de amar

Como já disse o poeta "O medo de amar é o medo de ser feliz".

É preciso estar preparado para receber a felicidade, quando ela chegar.


Enxergar a forma como ela vem, as vezes envolta em papéis diferentes.


Relembrando Chico Xavier: "A felicidade não entra em portas trancadas" ou seja, não entra em corações e mentes fechados.


Acho que o grande problema é o medo de amar, de abrir o coração.


E ser feliz é tudo de bom, mas para isto acontecer precisamos acreditar que somos merecedores(as) desta felicidade e perdermos o medo do futuro, de um possível sofrimento, perda ou separação.


Na vida correr riscos é inevitável, a não ser que você congele, porque assim não sofre mas também não vive.


Os primeiros olhares, o interesse, a identificação das afinidades, muita energia, mas ao mesmo tempo muita ternura e paz. Mas depois o temor, porque é muito bom, porque está muito bom.


Muitas vezes quando outro nos rejeita, ou somos nós quem rejeitamos, na realidade estamos rejeitando a possibilidade de sentir e viver o amor desperto e não a quem o despertou.


Se não tivermos esta percepção nos sentiremos infelizes e inadequados(as) e lá se vai a autoestima, o auto-amor.


É preciso parar de temer a dor, a perda, o risco, a rejeição. 


Quando agimos assim não nos permitimos sentir prazer, alegria, felicidade e como diz a música de Lupicínio Rodrigues " ….deixamos o céu por ser escuro e vamos ao inferno a procura de luz".


Fugimos no amor, escolhemos parceiros(as) inadequados(as) porque LÁ (no reino do inconsciente) sabemos que não dará certo e a dor "será menor".


Então como fuga magoamos, agredimos, nos afastamos, criamos obstáculos, fechamos o coração. 


Acredito que somos mais fortes do que pensamos e fomos criados(as) para amar e sermos amados(as).


A felicidade pode acabar, mas deixarmos de viver o amor pensando apenas na perda e na dor é fuga, alienação.


Sejamos corajosos(as). Viver bem é ousadia!


Um relacionamento amoroso, pleno, prazeroso é uma bênção. 


Amemos!




Abrindo o coração


Nos últimos dias um sentimento de tristeza, nostalgia e pesar paira no ar.

Os olhos enchem de lágrimas espontaneamente. 


O peito apertado, apatia.


É o chacra cardíaco se abrindo para deixar sair as emoções reprimidas, o que ainda é carregado das vivências do passado que já deveriam ter sido transformadas.


O coração é a morada do Amor, da compaixão, da alegria, da felicidade.


Funciona bem quando em harmonia com as emoções.


Muitas vezes outros sentimentos (raiva, ódio, mágoa, tristeza, rejeição, ciúmes...) assumem seu território, como posseiros ocupam os espaços sufocando o Amor e fechando o espaço ao seu redor.


E NEM SEMPRE ISTO É PERCEBIDO.


Neste momento de transição planetária somos chamados a dar um grande salto quântico, elevando o padrão vibracional dos nossos pensamentos, revendo nossas atitudes, liberando antigas crenças, registros, emoções. 


 Esta limpeza está acontecendo em todos os nossos corpos, físico, emocional, mental e espiritual.


Por isto a possibilidade a agravamento de alguns sintomas de pessoas que tem alguma doença crônica. 


As vezes pode vir uma sensação de perigo ou morte iminente, um ataque de pânico.


Não tema não é ou será uma morte física e sim a morte de padrões antigos.


Deixe fluir, limpe seu coração, tome contato com o que você está sentindo, fale, escreva, transforme, chore.


Quem é reikiano deve fazer auto-aplicação diária pelo menos das 4 posições de cabeça, chacra cardíaco, joelhos e pés. 


Quem não é, ore, medite, mantenha-se em uma sintonia elevada com a
sua fé e raiz espiritual.


O Amor precisa expulsar quem ocupa a sua casa.


Não tenha medo.


Ajude!


Abra o seu coração!

domingo, 2 de abril de 2017

O arquétipo da Deusa Anciã, a lua minguante e o outono


Para Jung o inconsciente coletivo é a instância psíquica mais profunda que armazena experiências que não são nem pessoais e nem individuais, mas imagens primordiais ou arquetípicas e também os instintos, que não podem ser acessadas quando necessário, entretanto, manifestam-se em sonhos, mitos e fantasias de maneira simbólica. 

As deusas habitam o inconsciente coletivo como arquétipos.

Elas se manifestam em cada uma de nós em sua forma tríplice, A DONZELA, A MÃE E A ANCIÃ.


Em determinado momento ou situação uma estará mais ativa.

Conhecer esses arquétipos e seus atributos nos leva ao autoconhecimento e ao melhor entendimento da dinâmica das relações afetivas.


As deusas também se relacionam com as fases da lua.


O envelhecimento e morte são representados pela lua minguante, tempo de analisar, tomar consciência e transformar para criar na lua Nova. 


Sua regente é a deusa anciã, a mulher sábia, senhora da transformação, aquela que tudo vê...
Nessa face da lua o poder feminino se completa, a mulher sábia é a senhora das lendas, das histórias, conhece todos os caminhos do mundo e todas as magias. 


Ela é gentil ou firme, a avó doce ou a bruxa sarcástica.


Essa lua simboliza fim de ciclo, a necessidade de avaliar o que merece renascer e o que deve morrer nos relacionamentos de família, amizades, trabalho. Tudo deve ser purificado, finalizado.


Conectamo-nos com esta face sempre que buscamos conhecimento, que nos aprofundamos em algum determinado assunto ou quando passamos por dificuldades que exijam sabedoria para serem superadas.


A face Anciã está relacionada ao outono e ao inverno, momento em que as árvores perdem suas folhas e a natureza se prepara para usar sabiamente seus recursos para preservar a vida. 


Correspondências:
Fase Lunar: Lua minguante, conhecimento, consciência, sabedoria, desapego e renovação.
Elemento: Água.
Ponto cardeal: Oeste.
Deusas: Baba Yaga, Hécate, Sedna, Kali, Sheela Na Gig, Nanã Buruquê.
Estações do ano: Outono e inverno.


Próximo círculo: 


http://projetoluzterapias.blogspot.com.br/2017/03/circulo-da-lua-minguante-sintonia-com-o.html